PSICANÁLISE

Tendo em vista a possibilidade de acompanharmos situações diversas pertinentes ao campo de trabalho do Labtransufmg, buscaremos verificar em que medida os três registros trazidos pelo psicanalista Jacques Lacan, Real, Simbólico e Imaginário, são operadores de leitura das transformações familiares em curso, seja o imaginário da novela familiar, o simbólico dos nomes do pai e o real dos modos de gozo. Ou, em outros termos: reprodução (real), filiação (simbólica) e transmissão (imaginária) seriam também modos de registrar?

Além disso, indagamos em que medida a noção lacaniana de sinthoma, ou seja, aquela de modos de invenção singulares como formas de amarração das novas alianças, constitui-se em um operador de leitura da família e dos novos laços familiares e em que isso difere de um recurso ao Édipo e a metáfora paterna como estruturantes da família


Biblioteca virtual em Psicanálise

%d blogueiros gostam disto: